quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Menino de Engenho



















A cana cortada é uma foice.
Cortada num ângulo agudo,
ganha o gume afiado da foice
que a corta em foice, um dar-se mútuo.

Menino, o gume de uma cana
cortou-me ao quase de cegar-me,
e uma cicatriz, que não guardo,
soube dentro de mim guardar-se.

A cicatriz não tenho mais;
o inoculado, tenho ainda;
nunca soube se é o inoculado
(então) vírus ou vacina.

[João Cabral de Melo Neto]


Nenhum comentário:

Postar um comentário