quinta-feira, 20 de maio de 2010

Versos para um álbum ilustrado

Virem a página:
aqui um elefante,
ali uma leoa.

Mostro-lhes o elefante.
Ei-lo, reparem!
Ele não é mais
rei dos animais.
Mas, simplesmente,
o seu presidente.

Neste nosso livrinho
o elefante, a elefanta
e os elefantinhos
parece que estão vivos.

Grandões, como dois ou três andares.
As orelhas enormes
como se fossem abanos.
Têm na frente, sobre a goela,
uma cauda,
que convém chamar de "tromba".

Quanta água precisam beber?
Quanta roupa hão de gastar?
Seus filhotes mesmo
são da altura de nossos papais.

O crocodilo é o terror das crianças.
É melhor não mexer muito com ele.
É verdade que ele mora dentro d'água.
E neste momento está invisível.

Eis o camelo!
As costas carrega
pessoas e cargas.
Habitante do deserto,
bebedor de água choca,
é um incansável trabalhador...
O camelo é
uma besta de carga.

O canguru. Que engraçado!
Seus braços são muito curtos,
mas, em compensação,
suas pernas são
duas vezes mais compridas.

A girafa
tem o pescoço tão comprrido
que não acha um colarinho
para a sua camisa.
Só mesmo uma girafinha
é que consegue abraçar-se
ao pescoço da girafa.

Nada mais engraçado
do que um macaco!
Por que ele está imóvel
como uma estátua?
Tirando a cauda,
não é um homem direitinho?

No inverno, eles sentem frio.
Esses bichos vieram da América.
Vocês já viram todos eles?
Está na hora de voltar.
Boa noite, bichinhos!

[Vladímir Maiakóvski, 1926]

Nenhum comentário:

Postar um comentário