sábado, 10 de abril de 2010

Temo por meus olhos

Temo por meus olhos
diante das puras vestes.
E no entretanto, desejo.

Temor que sugere o epílogo
de ser cântaro partido
ao lado de fonte pródiga.

A não contemplar,
prefiro definitiva cegueira.

Não como os homens cegos,
mas como os pés das crianças
que são cegos, caminhando.

[Thiago de Mello]

Nenhum comentário:

Postar um comentário