quinta-feira, 1 de abril de 2010

Grandes da Ciência

Heinrich Hertz

Heinrich Rudolf Hertz nasceu em Hamburgo em 22 de fevereiro de 1857. Nessa época, a Alemanha ainda não era um país unificado, mas um território constituído por um conjunto de reinos feudais. O processo de unificação alemã, ocorrido na década de 1860, levou o país a ingressar na Revolução Industrial e deu impulso ao florescimento de suas universidades. Foi nesse contexto histórico que Heinrich Hertz viveu e deu importantes contribuições para o avanço da Ciência e da Engenharia.

Já quando criança, Hertz demonstrava talentos fora do comum, não apenas na escola. Dentre as múltiplas habilidades que adquiriu, pode-se destacar que ele era um excelente mecânico, escultor, desenhista, linguísta e atleta. Na sua juventude, leu obras sobre temas dos mais variados, entre eles: psicologia, economia, ciência política, as teorias evolucionistas de Darwin, botânica, zoologia e mineralogia. Depois de completar a escola secundária Hertz decidiu tomar o caminho da engenheira. Por esse motivo, ele passou um ano trabalhando como aprendiz no escritório de um engenheiro civil em Frankfurt. O ambiente de trabalho o decepcionou, entretanto, como sua carga de obrigações era leve, aproveitou a maior parte do tempo livre nas excelentes galerias de arte e bibliotecas da cidade, modelando em argila e lendo sobre os mais diversos assuntos. Por essa época, tencionando desenvolver uma melhoria no telégrafo de autorregistro, estudou a já extensiva literatura técnica existente sobre telegrafia, um dos mais antigos ramos da Engenharia Elétrica, e decidiu ingressar no Instituto Politécnico de Dresden, escola de engenharia, onde eram oferecidas aulas sobre essa matéria. Hertz iniciou os estudos em Dresden em abril de 1876, mas cursou apenas um semestre, saindo em setembro para cumprir o seu ano de serviço militar obrigatório. Já desiludido com Dresden, ao sair do serviço militar em 1877 Hertz foi para Munique, onde ingressou tanto na escola de engenharia como no curso de Física, passando dois semestres neste regime, que também se provou inadequado.

Embora tenha passado parte de sua juventude interessado em alguns problemas de engenharia, Hertz ainda era muito indeciso sobre que rumo seguir. Felizmente a sua vocação para a Física o fez mudar de rumo e tomar um caminho definitivo. Assim, em 1878, transferiu-se para Berlim tencionando cursar exclusivamente Física. Nessa época, ninguém menos do que Gustav Kirchhoff (1824-1887) e Hermann von Helmholtz (1821-1894), dois famosos cientistas, lecionavam na Universidade de Berlim. Hertz ficou fascinado pelo laboratório de Helmholtz, que era muito bem equipado para a época. Não demorou muito até que o talento incomum de Hertz fosse notado. Logo passou a trabalhar como assistente de laboratório de Helmholtz, uma oportunidade quase nunca dada a um aluno não-graduado. Tão grande era a consideração sobre a capacidade de Hertz que lhe foi permitido terminar a graduação tendo cursado apenas seis semestres regulares (um em Dresden, dois em Munique e três em Berlim), ao invés dos oito regulamentares. O trabalho que havia feito para Helmholtz, determinar experimentalmente se cargas em movimento constituindo uma corrente elétrica possuem ou não massa inercial, concluído com êxito, lhe rendeu um prêmio departamental. Um artigo baseado nos resultados foi aceito na Annalen der Physik und Chemie, num volume onde figuravam também artigos de Kirchhoff, Weber, Wiedemann, Kundt, Rontgen, Siemens e Clausius, o que não era uma companhia nada má para um estudante de apenas 22 anos. Hertz graduou-se recebendo a rara distinção summa cum laude (com a maior das honras), após seu exame oral final.

Depois da graduação em 1880, Hertz permaneceu como assistente de Helmholtz por dois anos e meio, quando foi para a Universidade de Kiel assumir um cargo de instrutor de Física teórica. Em Kiel, Hertz não tinha laboratório e estava bem impaciente ao trabalhar apenas com Física teórica. Em 1884, em Kiel, Hertz publicou um artigo importante: "On the relations between Maxwell's fundamental electromagnetic equations and the fundamental equations of the opposing electromagnetics." Embora extremamente bem fundamentada, a teoria de Maxwell não era aceita por muitos dos físicos da época, principalmente por não haver provas experimentais das suas previsões. Nesse artigo de 1884, Hertz deixa claro que acredita fortemente na teoria de Maxwell.

Em 29 de março de 1885, Hertz se muda para Karlsruhe como professor titular de Física experimental no Technische Hochschule. Lá sua vida mudaria. Agora tendo a sua disposição todas as condições da época para realizar os seus experimentos, Hertz desenvolverá os seus trabalhos de maior contribuição científica. Nos anos que se seguem, se concentrará em verificar experimentalmente as previsões feitas pelas equações de Maxwell. Depois de muito trabalho, até mesmo para desenvolver os equipamentos necessários para a realização dos experimentos, Hertz conseguiu a primeira confirmação da existência de ondas eletromagnéticas em 1886. Por esse motivo, o ano de 1886 é considerado como sendo o ano de nascimento do rádio. Em 1886 também, Hertz casa com Elizabeth Doll, a filha de um colega de faculdade. Após a descoberta prevista das ondas eletromagnéticas, outros experimentos conseguiram sucesso: detecção de ondas estacionárias no ar, da corrente de deslocamento, de ondas estacionárias em fios, do efeito pelicular, das capacidades de refração, reflexão e polarização, dentre outras contribuições. Todos os resultados obtidos por Hertz serviram como base, enfim, para a aceitação da teoria de Maxwell. Os sucessos dos seus experimentos o tornaram famoso pelo mundo, sendo Hertz agraciado com diversas honrarias e vários convites de grandes universidades para lecionar. Em 1889, Hertz aceita um convite e vai trabalhar como professor e pesquisador em Bonn, onde continuou desenvolvendo experimentos com o eletromagnetismo, além de um importante trabalho em uma nova área da mecânica, em que trabalhou durante 1892 e 1893.

Após um período em que adoeceu, acometido de diversas infecções, Hertz faleceu no primeiro dia de 1894, algumas semanas antes do seu trigésimo sétimo aniversário. Deixou duas filhas pequenas, Johanna Hertz (1887-1966), que se tornou médica e Mathilde Hertz (1891-1975), futura zoóloga e etologista. Em homenagem à contribuição dada por Hertz à Ciência, a IEC (International Electrotechnical Commission) oficializou em 1930 o “hertz” (Hz) como a nomenclatura para designar a unidade de frequência em ciclos por segundo.

“(…) I am among the especially elect destined to live for only a short while and yet to live enough…(Heinrich Rudolf Hertz)




Edson Porto da Silva,

Graduando do curso de Engenharia Elétrica
Integrante do Grupo PET-Elétrica
Universidade Federal de Campina Grande - UFCG
Ramo Estudantil IEEE UFCG

Nenhum comentário:

Postar um comentário