segunda-feira, 1 de março de 2010

Tercetos de amor

§ Só agora aprendi
que amar é ter e reter.
Foi quando te vi.

§ Vi quando a rosa se abriu.
Como a eternidade
pode ser tão fugaz?

§ Não sei quando é o mar,
ou se é o sol dos teus cabelos.
Tudo são funduras.

§ Na entressombra, o sabre
se estira na relva morna.
O nenúfar se abre.

§ Brilha um dorso: és tu.
Encontro no teu ventre
a explicação da luz.

[Thiago de Mello]

Nenhum comentário:

Postar um comentário