segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Vida


















Não sei
o que querem de mim essas árvores
essas velhas esquinas
para ficarem tão minhas só de as olhar um momento.

Ah! se exigirem documentos aí do Outro Lado,
extintas as outras memórias,
só poderei mostrar-lhes as folhas soltas de um álbum
de imagens:
aqui uma pedra lisa, ali um cavalo parado
ou
uma nuvem perdida...
Meu Deus, que modo estranho de contar uma vida!

Mario Quintana
In: Esconderijos do Tempo

Um comentário:

  1. Belo poema!!! Mario Quitana, do pouco que o li admiro bastante! Boa Escolha Edson! espero sua visita no Matuto Social!
    http://matutosocial.blogspot.com/

    ResponderExcluir